Vox nostra resonat

A guitarra na Galiza

Um novo álbum de guitarra galega

Isabel Rei Samartim
jueves, 10 de noviembre de 2022
Álbum de guitarra galega. Nível básico © 2022 by Dos Acordes Álbum de guitarra galega. Nível básico © 2022 by Dos Acordes
0,0006374

Acaba de sair do prelo, na editorial Dos Acordes, um novo álbum de partituras para guitarra. O volume contém música proveniente dos fundos guitarrísticos galegos estudados na tese de doutoramento A guitarra na Galiza (Rei-Samartim, 2020). Intitulado Álbum de guitarra galega. Nível básico, o texto é uma antologia de peças simples, orientadas para principiantes, provenientes dos fundos galegos de guitarra do século XIX. 

Índice de partituras do Álbum de Guitarra Galega. Nível básico. © 2022 by Dos Acordes.Índice de partituras do Álbum de Guitarra Galega. Nível básico. © 2022 by Dos Acordes.

O Álbum de guitarra galega. Nível básico abre com uma apresentação breve dos fundos presentes no caderno, bem conhecidos do público interessado. Depois seguem umas notas específicas sobre a transcrição e edição das partituras, com um comentário especial para a interpretação das moinheiras integrantes do álbum. Continua com o índice a incluir fundo e página de cada uma das peças, junto com os títulos, que são os seguintes: Alvorada, Soidade, Contradança, Escocesa em Ré M, Contradança, Pastorela, Moinheira, Valsa (Dó M), Valsa (Sol M), Valsa (Fá M), Valsa (Lá m), Hino de Riego, Contradança inglesa, Obra 1, Contradança, Souvenir de Nápoles, Valsa (Lá M), Valsa (Dó M), Moinheira, Moinheira

Pieza enlazada

Assim, três das quatro moinheiras que até agora conhecemos escritas para guitarra no século XIX, a peça composta por Avelina Valladares e outras do mesmo fundo familiar como a Alvorada, uma Contradança, várias Valsas, uma delas de Federico Moretti e a composta por Marcial Valladares, e o bem conhecido Hino de Riego. Também fornece uma boa quantidade de peças pertencentes ao pequeno fundo do Arquivo da Catedral de Lugo, com mais valsas, contradanças e uma pastorela. O Caderno do Francês, conservado no Arquivo do Museu da Ponte Vedra, fornece várias obras: uma das moinheiras, a contradança de Miguel Garcia, mais conhecido como Padre Basílio, e uma das duas peças que o fundo contém do misterioso F. (Frai?) Miguel M. B. 

Pieza enlazada

Finalmente, a escocesa e outra das moinheiras pertencem ao Método em cifra conservado no Fundo Local de Música de Rianjo. E do virtuoso Álbum de Fernando Torres Adalid inclui-se uma única obra, por cumprir o objetivo da singeleza técnica. Trata-se do terceiro dos seis Souvenirs de Nápoles, uma obra formada por seis melodias atribuídas a Gaetano Donizetti, que foram arranjadas para guitarra por autor desconhecido. Os outros cinco Souvenirs poderão ser publicados em próximos álbuns por oferecerem maior complexidade técnica.

Transcrição e edição das partituras

O processo mais trabalhoso para a edição dum álbum de partituras é o da edição moderna dos textos antigos, neste caso todos manuscritos. Não houve dificuldade de leitura nos originais, que se conservam limpos e claros, mas sim foi preciso tomar decisões sobre diversas questões relativas à interpretação e à preparação do volume para ser útil nos primeiros passos do estudo da guitarra. 

Interior do Álbum de Guitarra Galega. Nível básico. © 2022 by Dos Acordes.Interior do Álbum de Guitarra Galega. Nível básico. © 2022 by Dos Acordes.

Colocou-se a atenção na clareza harmónica e melódica, no respeito da articulação original e na dedilhação pormenorizada. Para algumas obras que careciam de articulação foi proposta uma possibilidade, ou várias no caso das moinheiras, possibilidades sempre abertas ao critério d@s intérpretes. Algumas decisões pessoais da autora foram tomadas em favor da música, como a redução a semínimas do baixo em Lá da Alvorada, que no original aparece em colcheias. Também tem havido correção de notas, sempre justificadas na harmonia e nos modelos que as próprias obras oferecem. Estas mudanças são todas referidas e argumentadas nos comentários a cada peça.

O que não se tem acrescentado, salvo que já fizessem parte do original, são as indicações de matizes. A autora deixou integralmente à vontade d@s intérpretes as variações de intensidade e ritmo, por entender que nas obras de naturalidade galega, como a alvorada e as moinheiras, devem ser aplicados os critérios próprios da nossa música tradicional, e nas obras, também galegas mas realizadas sobre modelos da música europeia, como as contradanças, as valsas, etc. devem ser aplicados os critérios conhecidos para a música canônica de guitarra da primeira metade do século XIX. 

Tudo quanto vale para a interpretação das obras de Sors ou Carulli serve a esta música, que não se distancia nem melódica, nem harmonicamente das obras desses clássicos. Colocar absolutamente todos os signos levaria a uma edição de mais páginas e a uma disposição dos pentagramas não tão pedagógica como poderia parecer, além de dificultar a leitura a quem mais clareza e singeleza precisa, como são as crianças e todas aquelas pessoas iniciantes e amadoras da guitarra. Sem dúvida, esta falta torna necessário o acompanhamento do professorado conhecedor dos estilos apresentados, que poderá ajudar na correta interpretação das obras.

A edição de Dos Acordes

Depois da espléndida edição dos cadernos para guitarra e para canto e guitarra realizada pela editorial Viso em março de 2022, não podia a autora deste Álbum de guitarra galega pensar que no mesmo ano viria à luz uma nova antologia de partituras. A proposta feita ao diretor da editora, o professor e doutor Javier Jurado Luque, bem conhecido na musicologia galega, recebeu aprovação e no verão iniciaram-se os passos para a sua edição. É devido agradecer à também editora Ana Rodríguez Jular a eleição e elaboração da capa do álbum, do índice e dos textos complementares. E, naturalmente, a Karolis Biveinis pelo seu meticuloso trabalho na edição das partituras, a paciência nas correções e o excelente resultado final.

Novas publicações

Os frutos dos arquivos musicais galegos são maiores do que a primeira vista puder parecer. No caso concreto dos fundos para guitarra, o seu aproveitamento dá para bastantes mais publicações de interesse, não somente para @s guitarristas, mas também para o estudo geral e a evolução histórica da nossa música. O desafio que os próprios arquivos colocam só pode ser enfrentado com paciência e trabalho constante, de modo que aos poucos possamos ir vendo e partilhando toda a sua riqueza.

Dentro dessa vontade de trabalho constante está previsto para o próximo ano a publicação com a mesma editorial de mais dous Álbuns de Guitarra Galega, do nível médio e do nível superior, que junto com o primeiro álbum completariam a trilogia de música para guitarra. Estas publicações permitirão ao nosso alunado a iniciação no repertório dos arquivos galegos e da galeguidade do nosso instrumento. É o sonho desta guitarrista, que com todas as suas falhas e carências, quer insistir na importância do conhecimento, manutenção e revitalização da nossa cultura e a da nossa música.

Comentarios
Para escribir un comentario debes identificarte o registrarte.